Ajuste o tamanho do texto

Download da versão em pdf

            Havia uma lenda que falava sobre o mistério de vozes que moravam em uma gruta. Quem ousava entrar nela, acabava enlouquecendo, pois passava a ouvir vozes e fazer coisas terríveis. Coisas que as vozes mandavam elas fazerem.
            Os mais velhos diziam que as vozes teriam o poder de persuadir as pessoas, e manipulá-las. Falavam também que todas as pessoas que entravam lá, tinham o mesmo fim: acabavam se suicidando, pois as vozes a induziam a isso também.
            O que mais assustava todos moradores da vila que ficava próxima a gruta, é que não adiantava interditá-la ou colocar grandes avisos em sua entrada, pois do dia para a noite, tudo sumia. As pessoas diziam que algo maligno e poderoso se escondia na Gruta da Vozes Malignas, como era chamada. E seja lá o que fosse isso, parecia que queria ser encontrado.
            Apesar de todos saberem que nunca deveriam entrar lá, os mais jovens gostam de contrariar regras e orientações dadas pelos mais velhos. Principalmente crianças que são desafiadas ou querem provar algo para outras pessoas.
            Infelizmente, graças a um menino atrevido de doze anos, e a sua inocente irmã de nove, um dia, a lenda provou ser real.
            Torr era o nome do menino atrevido, e Pandomina, o nome da sua inocente irmã.
            Pandomina impressionava a todos com a coragem que tinha. Ela não tinha medo do escuro e do que poderia se esconder dentro dele, como fantasmas e criaturas monstruosas. Mas mesmo assim, ela dizia que da gruta tinha medo.
            O medo da gruta que Pandomina tinha, sumiu no dia em que Torr começou a agir de forma diferente. Estranharam o fato de ele tentar afogar uma amiga no cocho de ração dos cavalos, enquanto recitava versos estranhos sem rima e sem sentido.
            Assimilaram esse episódio com a possibilidade dele ter entrado no temido local. A dúvida se desfez após questionarem os jovens amigos de Torr, pois confessaram que o garoto realmente havia entrado na gruta para provar que era o mais corajoso do grupo.
            Sem pestanejar, as pessoas amarraram o garoto na cama, enquanto ele gritava ensandecido. Pelo menos dessa forma ele não se mataria, deduziram as pessoas da vila e os desesperados pais de Pandomina.
            Aquilo não foi algo interessante de Pandomina ver e ouvir, pois ela gostava muito daquele irmão. O que estava acontecendo deixou-a bastante irritada.
            “Não tenho mais medo dessa gruta! Agora mesmo vou até ela para descobrir como ajudar meu irmão”, pensou ela franzindo o cenho. Enquanto todos voltavam a atenção para Torr esperneando e amarrado na cama, ela pulou a janela de sua cabana e correu em direção a gruta. Ela sabia que bastava seguir o rio, que a gruta estaria por perto.
            Apesar de parecer uma atitude suicida, Pandomina não queria ficar louca e morrer. Em sua inocência, ela queria apenas tirar satisfação com as vozes da gruta, que eram responsáveis pela recente loucura do irmão.
            Assim que avistou a entrada da gruta, sem pestanejar, Pandomina entrou. Foi se dirigindo ao fundo dela, onde a luz não conseguia chegar. Quando estava completamente no breu, as vozes surgiram.
            - Que bom... foi fácil chegar aqui?... por que demorou tanto?
            Pandomina percebeu que eram duas vozes diferentes. Sorrindo satisfeita pelo rápido contato, Pandomina ficou parada no escuro da gruta e perguntou:
            - Quem são vocês? O que fizeram com meu irmão?
            - FAÇA O QUE EU DIGO, FAÇA O QUE EU DIGO! - gritou a primeira voz.
            - ...sim, será melhor para você... - orientou a segunda em tom de ameaça.
            - Por que esperam que eu faça o que vocês querem? - perguntou a menina ignorando a hostilidade das vozes.
            - VOCÊ VAI FAZER O QUE MANDARMOS, GAROTA! NÃO HÁ COMO EVITAR! - disse a primeira voz novamente gritando.
            - Em poucos minutos nós estaremos no comando. Vai nos ouvir, e fazer tudo que mandarmos – completou a segunda, num sussurro assustador.
            - Rá! Rá! Rá! - debochou Pandomina balançando os ombros na escuridão, que continuou: - Não tenho medo de vocês. E saibam que eu não farei o que vocês querem, pois eu não quero...
            - Ré! Ré! Ré! Impossível... sua pequena ignorante... - disse a primeira.
            - Ri! Ri! Ri! - satirizou a segunda.
            - AÉ?? ENTÃO VOCÊS VERÃO! – gritou Pandomina fazendo bico e dirigindo-se para a saída da gruta.
            Enquanto isso, na vila, perceberam a ausência da garota, e todos imaginaram que ela também havia ido até a Gruta das Vozes Malignas. Desesperados, os pais de Pandomina correram, e um enorme grupo os seguiu.
            No meio do caminho, viram a garota voltando. Ela parecia sorrir e chorar ao mesmo tempo.
            O pai correu até ela e, segurando-a pelo ombro, perguntou:
            - Filha!? Você não entrou lá? Entrou?          
            Pandomina não respondeu, apenas olhou para o graveto em sua mão, e levantou-o na direção do seu pai.
            Eles não entenderam. O pai pegou o graveto e percebeu que a ponta estava úmida.
            - Está molhado... isto é sangue... – disse ele num tom de voz bastante baixo, enquanto consultava a cor e textura do líquido que tingia seus dedos.
            - Matei eles dois, papai... está vendo o sangue? Eu disse para eles pararem de falar, mas eles continuaram... não estou ouvindo mais eles agora.
            Os longos cabelos da garota tapavam-lhe as orelhas, mas um pouco de sangue escorria de seus ouvidos, e manchava seus cabelos.
            - Filha... – sussurrou entontecida a mãe de Pandomina.
            - O problema, é que está doendo... e eu não estou ouvindo mais vocês também... – confessou a garota levando as mãos as orelhas, com lágrimas escorrendo pelo rosto, mas sorrindo ao mesmo tempo. - E pelo menos vamos poder matar os outros dois que entraram nas orelhas do meu irmão também...
            Aturdidos, todos voltaram à vila.
            Com muito pesar, os pais de Torr pediram para o curandeiro da vila torná-lo um surdo também. Chegaram à conclusão que essa era a única forma de fazer com que o garoto voltasse ao normal, e não se matasse.
            Para todos os moradores daquela vila, ficou o alerta: a lenda é real, portanto, não deviam entrar na Gruta das Vozes Malignas.
            Para Torr e Pandomina, ficou o fato: haviam perdido um dos sentidos, mas não a sanidade e a vida.
            Bem, a vida com certeza, mas a sanidade, ninguém tinha certeza. Pois, depois que tornaram-se surdos, o passatempo predileto dos dois era entrar na gruta, e gritar, gritar e gritar, mesmo sem saber e ouvir o que estavam gritando. Faziam isso diariamente até que a garganta doesse.
            Por meio de gestos ou escrita, diziam que as vozes não podiam fazer mais nada contra eles, mas eles sim, poderiam importunar as vozes todos os dias, até o fim das suas vidas.
            Se as vozes se incomodavam com a vingança barulhenta dos dois, ninguém soube, ou procuraria saber, pois ninguém entraria lá para perguntar.

Fim

Voltar à página de contos


www.000webhost.com